Featured

I was. I am. I will be.

[Eng] Past. Present. Future. There are no time boundaries for what has been, is being, and will be accomplished. Everything you do, if done by spiritual means and for spiritual evolution of self and of others will reverberate forever.

For what everything that is conquered in your spiritual life is never lost again.

The purpose of this Blog is to serve as a memoire of the invisible ones who have always done such a work. They are the Rosicrucian. And for that matter this can only be a timeless vehicle, relying on timeless Rosicrucian knowledge, teachings and work.

Some texts may be presented just in English. Others will be presented in both English and Portuguese, the natural language of this Author. External references may be presented on those both languages preferably, but not restricted to them if need be.

[Por] Passado. Presente. Futuro. Não há limites de tempo para o que foi, é e será cumprido. Tudo o que você faz, se feito por meios espirituais e para a evolução spiritual própria e de terceiros reverberará para sempre.

Pois o que é conquistado em sua vida espiritual nunca mais é perdido.

O propósito deste Blog é servir como memória dos invisíveis que sempre fizeram tal trabalho. Eles são os Rosacruzes. E por este motivo este só pode ser um veículo atemporal, baseando-se em conhecimentos, ensinamentos e trabalhos Rosacruzes atemporais.

Alguns textos serão apresentados em Inglês. Outros serão apresentados em Inglês e Português, o idioma nativo deste Autor. Referências externas poderão ser apresentadas em ambos idiomas preferencialmente, mas não restritos a eles, caso necessário.

datrosamelapibus1_1280
(DAT ROSA MEL APIBUS “The Rose Gives The Bees Honey” after the original motto found in the engraving (possibly) by Johann Thedore deBry (d. 1598)

One Man

[Eng] One man appeared here, when everything was still very young. One man was placed here to admire this multiform nature and, in doing so, he admired himself, and God. One man was part of God and God was part of One man.

One man was running across plain lands while One man was walking a very long distance over rough terrain. One man was on the shores of seas and oceans while One man was living at the most deprived regions of heat and light. One man was happy while One man was sad.

One man served himself and everyone, and felt one with nature. One man was so connected with nature and so reconciled with God that One man could feel everything and everyone at the same time. One man trained his focus to feel more what he needed to transform. One man felt animals, and he felt the future even more intense than he felt the past. One man was aware of all the risks he was taking and thus was not taking any risks. One man was one.

One man saw when great planetary transformations gave rise to the appearance of other expressions, sizes, colors and different abilities of One man. This is a very old world, which has undergone many transformations, births and continental deaths, but One man has always been here witnessing everything. One man knew that to make room for new things, old ones must cease to exist, they need to be moved, they need to be transmuted and they need to be reborn but still one with One man. And no place on the planet has ever been unknown to One man because, wherever his mind was, he would be there in essence.

One man saw when a great civilization was consumed by greed, and ended up disappearing in the midst of the purifying ethereal fire existing in the waters that cover this planet. One man saw when other people tried to protect their tradition, guided by a new expression of One man, more accustomed to the new challenges that were presented. For One man could not forget that He was One with God, and God with One. One man saw great Kings arise, great buildings were set up by One man all over the planet. Many millennia have passed under the feet of One man, who throughout this time has spread on the face of this world everything that his mind dared to ask of God. One man translated his imperfections into a vastness of events, whether we consider them fruitful or atrocious. Joys and sorrows. Loves and hates. Life and violence. Rebirth and death. But One man has always been here.

One man witnessed the coming of countless Kings of the World, beings of enlightened sensitivity who fought for continuous improvement in the way One man experiences the plan of creation. One man has always known that he will remain so, even though in many places countless men are ignorant of this. One man also pierces these, with the most infinite wisdom and the most infinite tolerance. The most infinite Love.

One man saw the rise and the fall of empires. He was present when great civilizations entered different wars in different moments. He was a witness to when the Egyptians waged countless internal and external strife to guarantee the prosperity of their civilization. He witnessed the development of the Greek world that took place with great advance of philosophy and science concomitantly with the development of weapons and even more conflicts. One man fought in the ranks of several Chinese kings when that region of the world was still struggling to harmonize around a single authority. One man recognized in each of these peoples the descendants of other earlier peoples, from many millennia before, because he had also known them. One man saw all this as a karmic process that made sense and was inserted in the cause and effect context of this plan of creation.

One man was present throughout the existence of the Roman Empire. He witnessed the self-determination of the Hebrews, the development of Christianity and Islam, and the expansion of other philosophies in Asia, which were nothing more than the fruits of a tradition many millennia older, from when the world was still another.

One man built and brought down the Roman Empire. He built and overthrew many kingdoms, entire lineages of important men, promoted the consolidation of a new order in the West. At the same time, One man led the guard of all Egyptian, Hellenic and Roman wisdom in the Middle East and continued to promote prosperity in Asia. One man was present when Christians were mistreated in the Temple of Solomon, he was present when the Catholic Pontiff ordered the first Crusade, he was present when Christians walked and sailed distant distances to the center of the world, again. One man fought on both sides, with Crusaders and with Turks. One man was both Templar and Assassin and understood all the karmic forces at play at that time in history.

One man experienced all the expansions and colonizations that followed the Middle Ages. One man knew how to develop science, the Enlightenment, industrialization, the evolution of economies and more complex financial systems, but he also knew how to keep the daughter traditions of The Tradition, which he witnessed and experienced ever since he arrived here for the first time, before One man could seek his numerous forms of manifestation.

One man fought several battles in search of self determination in various places, committed numerous atrocities and paid for all of it. He still pays and he will continue to pay. He fought world wars on all sides, explored space, created computers, developed everything that is known today in the field of technology and science. But at the same time, One man continues to be the caretaker of that Primordial Tradition, keeping it as a treasure to be used by those who so wish. Because One man has always been here, is here, and will be here.

One man will see countless more manifestations of himself living and suffering on this planet and on other planets, many times almost ceasing to exist and at other times the Universe of life abounds. Nothing has happened, happens and will happen without a very high price being paid in pursuit of Evolution. One man has witnessed so many changes that no change goes unnoticed or surprising. One man is not afraid of any disease because he knows them all. He is not afraid of any suffering because he knows everyone. He does not be fooled by any joy because He has tried them all. One man knows that the pursuit of happiness is as essential as learning from pain.

One man is a Master. And all the Masters. Until the Master is no longer needed.

[Por]

Um homem apareceu aqui, quando tudo ainda era muito jovem. Um homem foi colocado aqui para admirar esta natureza multiforme e, ao fazer isto, admirava a si mesmo, e a Deus. Um homem era parte de Deus e Deus era parte de Um homem.

Um homem corria por terrenos planos enquanto Um homem caminhava, a uma distância muito grande, por terrenos acidentados. Um homem estava à beira de mares e oceanos enquanto Um homem estava próximo às regiões mais desprovidas de calor e luz do planeta. Um homem era feliz enquanto Um homem era triste.

Um homem servia a si e a todos, e sentia-se um com a natureza. Um homem era tão conectado com a natureza e tão conciliado com Deus que Um homem conseguia sentir a tudo e a todos ao mesmo tempo. Um homem treinava o foco para sentir mais aquilo que precisava transformar. Um homem sentia os animais, e sentia o futuro tão ou mais intenso quanto sentia o passado. Um homem era ciente de todos os riscos que corria e, desta forma, não corria nenhum risco. Um homem era um.

Um homem viu quando grandes transformações planetárias deram espaço ao surgimento de outras expressões, tamanhos, cores e diferentes habilidades de Um homem. Este é um mundo muito antigo, que já passou por muitas transformações, nascimentos e mortes continentais, mas Um homem sempre esteve aqui presenciando tudo isto. Um homem sabia que para dar espaço à coisas novas, as velhas precisam deixar de existir, precisam ser movidas, precisam ser transmutadas e precisam ser renascidas mas, ainda assim, unas com Um homem. E nenhum lugar do planeta jamais foi desconhecido por Um homem pois, onde quer que sua mente estivesse, ele lá estaria em essência.

Um homem viu quando uma grande civilização foi consumida pela ganância, e terminou por desaparecer em meio ao fogo etéreo purificante existente nas águas que recobrem este planeta. Um homem viu quando outros povos trataram de proteger sua tradição, guiados por uma nova expressão de Um homem, mais afeita aos novos desafios que se apresentavam. Pois Um homem não poderia se esquecer de que era Um com Deus, e Deus com Um. Um homem viu grandes Reis surgirem, grandes construções foram colocadas de pé por Um homem em toda parte do planeta. Muitos milênios se passaram sob os pés de Um homem, que durante todo este tempo disseminou na face deste mundo tudo aquilo que sua mente ousasse pedir a Deus. Um homem traduziu suas imperfeições em uma vastidão de acontecimentos, quer os consideremos frutíferos ou atrozes. Alegrias e tristezas. Amores e ódios. Vida e violência. Renascimento e morte. Mas Um homem sempre esteve aqui.

Um homem presenciou a vinda de inúmeros Reis do Mundo, seres de iluminada sensibilidade que lutaram pela melhoria continua da forma como Um homem experimenta o plano da criação. Um homem sempre soube que continuará assim, ainda que por diversas partes inúmeros homens sejam ignorantes a esse respeito. Um homem também trespassa estes, com a mais infinita sabedoria e a mais infinita tolerância. O mais infinito Amor.

Um homem viu a ascensão e queda de impérios. Esteve presente quando grandes civilizações entraram em diversas guerras por diversos momentos. Foi testemunha de quando os Egípcios travaram inúmeras contendas internas e externas para garantir a prosperidade de sua civilização. Testemunhou o desenvolvimento do mundo Grego que se deu com grande avanço da filosofia e da ciência concomitantemente ao desenvolvimento de armas e ainda mais conflitos. Um homem lutou nas fileiras de diversos reis Chineses quando aquela região do mundo ainda lutava para se harmonizar em torno de uma única autoridade. Um homem reconhecia em cada um desses povos os descendentes de outros povos anteriores, de muitos milênios antes, pois também os conhecera. Um homem via tudo isso como um processo cármico que fazia sentido e que estava inserido no contexto de causa e efeito deste plano da criação.

Um homem esteve presente durante toda a existência do Império Romano. Testemunhou a autodeterminação dos Hebreus, o desenvolvimento do Cristianismo e do Islamismo, e a expansão de outras filosofias na Ásia, que nada mais eram do que frutos de uma tradição muitos milênios mais antiga, de quando o mundo ainda era outro.

Um homem construiu e derrubou o Império Romano. Construiu e derrubou muitos reinos, linhagens inteiras de homens importantes, promoveu a consolidação de uma nova ordem no Ocidente. Ao mesmo tempo, Um homem conduziu a guarda de toda a sabedoria Egípcia, Helênica e Romana no Oriente Médio e seguiu promovendo a prosperidade na Ásia. Um homem esteve presente quando Cristãos foram maltratados no Templo de Salomão, esteve presente quando o Pontífice Católico ordenou a primeira Cruzada, esteve presente quando Cristãos caminharam e navegaram longínquas distâncias até o centro do mundo, novamente. Um homem lutou de ambos os lados, com Cruzados e com Turcos. Um homem era ao mesmo tempo Templário e Assassino e entendia todas as forças cármicas em jogo, naquele momento da História.

Um homem vivenciou todas as expansões e colonizações que se seguiram à Idade Média. Um homem soube desenvolver a ciência, o Iluminismo, a industrialização, a evolução das economias e de sistemas financeiros mais complexos, mas também soube guardar as tradições filhas da Tradição, que ele testemunhou e vivenciou desde que o mundo é mundo, desde que aqui chegou pela primeira vez, antes que Um homem pudesse buscar suas inúmeras formas de manifestação.

Um homem travou várias batalhas em busca de auto determinação em vários locais, cometeu inúmeras atrocidades e pagou por tudo isso. Ainda paga e ainda vai pagar. Lutou guerras mundiais em todos os lados, explorou o espaço, criou os computadores, desenvolveu tudo o que se conhece hoje no campo da tecnologia e da ciência. Mas ao mesmo tempo, Um homem segue como zelador daquela Tradição Primordial, guardando-a como Tesouro a ser aproveitado por aqueles que assim desejarem. Porque Um homem sempre esteve aqui, está aqui, e estará aqui.

Um homem verá inúmeras mais manifestações suas vivendo e sofrendo neste planeta e em outros planetas, muitas vezes quase deixando de existir e em outras vezes abundando o Universo de vida. Nada aconteceu, acontece e acontecerá sem que um preço muito alto seja pago à busca da Evolução. Um homem já testemunhou tantas mudanças que nenhuma mudança lhe passa despercebida ou surpreende. Um homem não tem medo de nenhuma doença porque conhece todas. Não tem medo de nenhum sofrimento porque conhece todos. Não se ilude com nenhuma alegria porque já experimentou todas. Um homem sabe que a busca pela felicidade é tão essencial quanto o aprendizado pela dor.

Um homem é um Mestre. E todos os Mestres. Até que o Mestre não seja mais necessário.

The Author / O Autor / Anno R+C 3.373

Who am I, if not who I am?

bluelightsmall

[Eng] Who am I, if not who I am?

How can I isolate myself to find myself, if not in myself?

How can I make the Rose-Cross shine and expand more and more in my soul, this golden cross with a rosean heart?

Where is the infinite horizon if not in my own mind?

Here is a man who walks in darkness, his body wrapped in a cloak, his head protected by a hood. The old, suffering face that no longer dares to cry. He is alone on his journey and feels far from his goal.

He is accompanied by a staff, which at its top has a sphere, and this sphere glows with a  wonderful blue light. The key is with him, and as long as it is, he is not afraid of any harm.

Demons do not dare to approach him, the world curves around him.

There is a faint, weak, almost imperceptible light on the infinite horizon, and he is chasing it. After all, he attained the mastery of life.

[Por] Quem sou eu, senão quem eu sou?

Como me isolar para me encontrar, senão em mim mesmo?

Como posso fazer a Rosa-Cruz brilhar e se expandir cada vez mais em minha alma, esta cruz dourada de coração róseo?

Onde está o horizonte infinito senão em minha própria mente?

Eis homem que caminha nas trevas, o corpo envolto em uma capa, a cabeça protegida em um capuz. O rosto velho e sofrido que não ousa mais chorar. Está sozinho em sua caminhada e sente-se distante de seu objetivo.

Segue acompanhado por um cajado, que em seu topo existe uma esfera, e esta esfera brilha com uma luz azul maravilhosa. A chave está consigo, e enquanto for assim não teme mal algum.

Demônios não ousam se aproximar dele, o mundo se curva ao seu redor.

Há uma luz tênue, fraca, quase imperceptível no horizonte infinito, e ele a persegue. Pois afinal de contas, ele alcançou o domínio da vida.

The Author / O Autor / Anno R+C 3.372

Prophet

Prophet / noun

Etimology
from Old French prophete, via Latin from Greek prophētēs ‘spokesman’, from pro‘before’ + phētēs ‘speaker’ (from phēnai ‘speak’).

Pronunciation
UK , /ˈprɒf.ɪt/ US , /ˈprɑː.fɪt/

1. a person who is believed to have a special power that allows them to say what a god wishes to tell people, especially about things that will happen in the future

2. a person who supports a new system of beliefs and principles

[Eng] Traditionally, the image of the Prophet is linked to that of the person who is able to provide predictions about the future, much more of others than of himself, much more about the world than about his own life. The world became accustomed to treating the Prophet as someone in this condition, because of truly historical figures and others more symbolic, in addition to several characters with these characteristics cited in various scriptures. But a Prophet is more than this, and his importance is much more in support of a set of beliefs and principles than in his proper predictive ability of the future, although both conditions are true.

This is how Rosicrucianism treats the figure of the Prophet. Prophets exist, support a system of beliefs and principles, have the ability to predict and do predict future events about oneself and others. Every Rosicrucian exercises his ability to prophesy, and it is a constant practice of all Rosicrucians throughout human history. Indeed, it can be said that the Rosicrucian chooses to condition his psychic body and his mind to a mechanism defined and provoked by his own will, with the intention of prophesying, with a view to rendering such a latent capacity more humanly and more under control, contrary to what usually happens with people who possess this developed capacity but end up being victims of visions, dreams, intuitions, without performing the proper work of foment and interpretation of the phenomenon.

Thinking more broadly, which I think is more interesting and pertinent to Mysticism, the Prophet is the one who warns. A warning is something loaded with force and presupposes causal relationships involved in the actions of men and nature. Something like “if you do, that will happen” or “if you do not avoid such a thing, you will suffer such consequences,” and so on. Extrapolate this and you will see that something like “if the human species does not stop polluting the atmosphere life will become unsustainable quickly” is a statement exactly with the same essence of the previous generic settings. A warning. A catastrophic Prophecy. Something a Prophet says.

The warning is interesting from the point of view of a Rosicrucian Prophet because it can be done by virtue of easily identified violations of Cosmic Laws, Laws which are known to the mystic. This is a situation where the Prophet becomes quite efficient and where his Philosophy and Wisdom is enormously and nobly applied. It should be noted that this does not necessarily imply the need to offer very specific or very detailed predictions about one or a few persons, but rather much broader, more comprehensive, meaningful and no less precise predictions.

A Rosicrucian developed in this mystical path is a prophet by nature, his prophecies end up being transmitted to the outside world in one form or another, being they simple warnings or true predictions. The Rosicrucian is only a channel of transmission of knowledge of the Cosmic, Universal Mind behind the creation of all things, and this knowledge is timeless and can be characterized as historical knowledge or as prophecy. As long as there is a Rosicrucian present in the Universe there will be a veiled prophet, one who is satisfied in the Rosicrucian service without making a point of having his identity revealed, qualified or characterized. Someone disseminating information not for itself, but for the glory of the Creator.

[Por] Tradicionalmente, a imagem do Profeta é ligada à da pessoa capaz de fornecer previsões acerca do futuro, muito mais de outrem do que de si mesmo, muito mais sobre o mundo do que sobre sua própria vida. O mundo se acostumou ao tratar o Profeta como alguém nesta condição, em função de figuras verdadeiramente históricas e outras mais simbólicas, além de vários personagens com estas características citados em diversas escrituras. Porém, um Profeta é mais do que isto, e sua importância está muito mais no suporte a um conjunto de crenças e princípios do que propriamente em sua capacidade preditiva do futuro, embora ambas as condições sejam verdadeiras.

Esta é a forma como o Rosacrucianismo trata a figura do Profeta. Profetas existem, suportam um sistema de crenças e princípios, possuem a capacidade de prever e predizer eventos futuros sobre si mesmo e sobre os outros. Todo Rosacruz exercita sua capacidade de profetizar, sendo a mesma uma prática constante de todos os Rosacruzes ao longo de toda a história humana. Com efeito, pode-se dizer que o Rosacruz opta por condicionar seu corpo psíquico e sua mente a um mecanismo definido e provocado por sua própria vontade, com o intuito de profetizar, visando tornar mais objetiva tal capacidade latente nos seres humanos e mais sob controle, ao contrário do que costuma ocorrer com pessoas que possuem esta capacidade desenvolvida mas acabam sendo vitimas de visões, sonhos, intuições, sem realizar o devido trabalho de fomento e interpretação do fenômeno.

Pensando de uma maneira mais ampla, que julgo ser mais interessante e pertinente ao Misticismo, o Profeta é aquele que avisa. Um aviso é algo carregado de força e pressupõe relações de causalidade envolvidas nas ações dos homens e da natureza. Algo como “se você fizer isso, acontecerá aquilo” ou “se você não evitar tal coisa, sofrerá tais consequências”, e assim por diante. Extrapole isso e você verá que algo como “se a espécie humana não parar de poluir a atmosfera a vida acabará ficando insustentável rapidamente” é uma colocação exatamente com a mesma essência das colocações genéricas anteriores. Um aviso. Uma Profecia catastrófica. Algo que um Profeta diz.

O aviso é interessante do ponto de vista de um Profeta Rosacruz porque pode ser feito em virtude de violações facilmente identificadas de Leis Cósmicas, Leis que são de conhecimento do místico. Esta é uma situação onde o Profeta torna-se bastante eficiente e onde sua Filosofia e Sabedoria é enormemente e mais nobremente aplicada. Percebe-se que, com isso, não necessariamente o Profeta se prende à necessidade de oferecer previsões muito específicas ou muito detalhadas sobre uma ou poucas pessoas, e sim previsões muito mais amplas, abrangentes, significativas e não menos precisas.

Um Rosacruz desenvolvido nesta senda mística é um profeta por natureza, suas profecias acabam sendo veiculadas ao mundo exterior de uma forma ou de outra, sendo elas simples avisos ou verdadeiras previsões. O Rosacruz é apenas um canal de transmissão de conhecimento do Cósmico, a Mente Universal por trás da criação de todas as coisas, e este conhecimento é atemporal, podendo ser caracterizado como conhecimento histórico ou como profecia. Enquanto houver um Rosacruz presente no Universo haverá um profeta velado, alguém que se satisfaz no serviço Rosacruz sem fazer questão de ter sua identidade revelada, qualificada ou caracterizada. Alguém disseminando informação não por si, mas pela glória do Criador.

oracle-delphi

The Author / O Autor / Anno R+C 3.372

Michael Maier’s Atalanta Fugiens

An article of Peter Bindon, FRC
Rose+Croix Journal, Issue 12 of 2018

http://www.rosecroixjournal.org/

A Look at This Year’s Cover: Michael Maier’s Atalanta Fugiens – Rose+Croix Journal Issue 12, 2018

Michael Maier Atalanta Fugiens Figura 21 Explicada

[Eng] In this article, Peter Bindon presents some of the fascinating symbolism and history behind Emblem 21 in Michael Maier’s intriguing work, Atalanta Fugiens.

[Por] Neste artigo, Peter Bindon apresenta um pouco do fascinante simbolismo e história presentes no Emblema 21 do intrigante trabalho de Michael Maier, Atalanta Fugiens.

Emblem-21-in-Michael-Maier-Atalanta-fugiens

Soul / Alma

sequoia

[Eng] It is the nature of Man to think of things as a human condition. From this it follows that every Man thinks of things in an Individualized way, because he considers himself as an individual.
It turns out that not even man is an individual, so even thinking about himself in this way is a mistake.
With regard to the Soul, it’s the same thing.

Every Man possesses his physical body, which is a body, a manifestation of the material World, which is generated, operated, grows and also operates itself, produces things through the movement of other bodies, it grows old and succumb to the action of time that ends up dissolving it and making it invisible. But still a body. Solve et coagula.
Every Man is filled by a Soul, which has been breathed by the Creator into that being during his birth and who leaves that body at the time of its Transition, or what is commonly called Death, but which is nothing other than another Rebirth.

The Soul does not inhabit the body of Man in the sense that this body serves as a cage or an encapsulation for the Soul. The Soul fills the Body, it pierces the body, but the body does not hold the Soul. The human Soul is not individualized, in the sense that there is no Soul A, Soul B, Soul C. There is rather a Soul Personality, which is the sum of the experiences of that Soul in its interactions with the World, while it does not reintegrate itself with the Creator. A mutant Soul Personality since, for the Soul, being itself Eternal in the image of the Creator, chronological time is something that does not exist, being this Soul Personality, as a result of this, constantly changing.

The Soul, whatever it is, is only part of a whole, which is a Universal Soul, not individualized, and therefore not being comprehensible in this way and by these human standards. A good analogy for this would be to imagine a set of electric lamps connected in parallel, and the Universal Soul as the electric current that feeds all these lamps, each lamp being a Being. When passing this electric current the lamps will light each one in varying colors and intensities, depending on their own bodily characteristics, which are determined, among other things, by the physical conditions of the lamp but also by the spiritual conditions of the lamp. Our goal, as a human seeker for evolution, is to continuously improve the color and brightness of your lamp.

What is left of our lives, stays with the Soul. The whole of our actions and operations reverberates in the infinite space through our Soul. What happens to the Soul after the Transition is a direct consequence of what it did as it dealt with the Human condition. Every Soul, as part of a Universal Soul, must aim for its reintegration with the Creator.

The way: the Cross and the Rose. The Rose and the Cross.

[Por] É próprio da natureza do Homem pensar nas coisas enquanto condição Humana. Disto decorre que todo Homem pensa nas coisas de maneira Individualizada, porque considera-se, a si próprio, como um indivíduo.
Acontece que nem mesmo o Homem é um indivíduo, portanto mesmo pensando sobre si mesmo desta forma comete um erro.
Com a Alma, é a mesma coisa.

Todo Homem possui o seu corpo físico, que é um corpo, manifestação do Mundo material, que é gerado, operado, cresce e também ele mesmo opera, produz coisas através da movimentação de outros corpos, por fim envelhecendo e sucumbindo à ação do tempo que termina por dissolvê-lo e torná-lo invisível. Mas ainda assim um corpo. Solve e coagula.
Todo Homem é preenchido por uma Alma, que fora insuflada pelo Criador naquele ser durante o seu nascimento e que abandona aquele corpo no momento de sua Transição, ou o que se chama comumente de Morte mas que nada mais é do que outro Renascimento.

A Alma não habita o corpo do Homem no sentido de que este corpo sirva de involucro ou encapsulamento para a Alma. A Alma preenche o Corpo, trespassa o corpo, mas o corpo não detém a Alma. A Alma humana não é individualizada, no sentido de que não existe Alma A, Alma B, Alma C. Existe sim uma Personalidade Alma, que é o somatório das experiências daquela Alma em suas interações com o Mundo, enquanto ela própria não se reintegra ao Criador. Uma Personalidade Alma mutante já que, para a Alma, sendo ela mesma Eterna à imagem do Criador, tempo cronológico é algo que inexiste, estando esta Personalidade Alma, em decorrência disto, em constante mutação.

A Alma, qualquer que seja, é apenas parte de um todo, que é uma Alma Universal, não individualizada, e portanto não sendo passível de compreensão desta forma e por estes padrões humanos. Uma boa analogia para isto seria imaginarmos um conjunto de lâmpadas elétricas ligadas em paralelo, e a Alma Universal como a corrente elétrica que alimenta todas essas lâmpadas, sendo cada lâmpada, um Ser. Ao passar esta corrente elétrica as lâmpadas se acenderão cada qual à sua maneira, com cores e intensidades variadas, a depender de suas próprias características corpóreas, que são determinadas, entre outras coisas, pelas condições físicas da lâmpada mas também pelas condições espirituais da lâmpada. Nosso objetivo, enquanto Humano buscador por evolução, é  melhorar a cor e o brilho da sua lâmpada continuamente.

O que fica de nossas vidas, fica com a Alma. O conjunto de nossas ações e operações reverbera no espaço infinito através de nossa Alma. O que acontece com a Alma, após a Transição, é consequência direta do que ela fez enquanto lidou com a condição Humana. Toda Alma, enquanto parte de uma Alma Universal, deve ter por meta a sua reintegração com o Criador.

O caminho: a Cruz e a Rosa. A Rosa e a Cruz.

The Author / O Autor / Anno R+C 3.372

Rosicrucian Creed

[Eng]

  1. I know there is but one living, true, and Infinite God, creating and sustaining all things, visible and invisible, whose Essence is diffused throughout the universe, and whose Mind and Consciousness constitute the Soul of Man.
  2. I know that the unity of God’s creation manifests in three expressions: in the Macrocosm as Light, Life, and Love; in the Microcosm as Soul, ego and body; in the material sciences and arts as thesis, synthesis, and antithesis. All of those are symbolized by the Triangle.
  3. I know that the Divine Wisdom of God, as made manifest by the laws of nature, justifies our faith in the Omnipotence, Omnipresence, Goodness, and Love of the God of our existence.
  4. I know that when God breathes into the Body of Man, the Breath of Life, Man becomes a Living Soul. The Soul of God, resident within a mortal body, is the perfect essence of the Universal Soul that flows through successive human incarnations. Hence, in all that is real and vital, all Mankind is a Brotherhood under the Fatherhood of God.
  5. I know that the flesh alone may err, and mortal mind may sin; and for each error or sin, flesh and mortal mind must compensate; for Man is born in Soul-Goodness, but in mortal ignorance, and from the ignorance alone must Man be redeemed and saved.
  6. I know that the visible Fraternity of the Rosicrucians is an inspired school for the Illumination of the mortal mind and the joy of the Soul. Its authority is found in the joyous response of the Soul of Man and the Inspiration and Direction received from the Masters, visible and invisible.
  7. I know that the High Initiates of the Fraternity are representative of the Invisible Masters of The Great White Brotherhood, and are the Servants of God.

[Por]

  1. Eu sei que há somente um Deus Vivente, Verdadeiro e Infinito, Criador e Mantenedor de todas as coisas visíveis e invisíveis, cuja Essência está difundida em todo Universo e cuja Mente e Consciência constituem a Alma do Homem.
  2. Eu Sei que a unidade da Criação de Deus se manifesta em três expressões: No Macrocosmo, como Luz, Vida e Amor; no Microcosmo, como Alma, Personalidade e Corpo; nas ciências materiais e nas artes, como tese, síntese e antítese. Tudo isso está simbolizado pelo triângulo.
  3. Eu Sei que a Sabedoria perfeita de Deus, como manifestada pelas Leis da Natureza, justifica nossa fé na Onipotência, Onipresença, Bondade e Amor do Deus de nossa existência.
  4. Eu Sei que quando Deus insufla, no corpo do Homem, o alento de Vida, o Homem se torna uma Alma Vivente, um segmento inseparável da Alma de Deus, residindo num corpo mortal, para vários propósitos, através de sucessivas encarnações humanas. Assim, com relação a tudo que é real e vital, é toda Humanidade uma Fraternidade sob a Paternidade de Deus.
  5. Eu Sei que somente a carne pode errar e a mente mortal pode pecar; e, para cada erro ou pecado, a carne e a mente mortal devem compensações porque o Homem nasce em perfeição de Alma, porém em ignorância mortal, e somente dessa ignorância o Homem deve ser redimido e salvo.
  6. Eu sei que a Fraternidade Visível dos Rosacruzes é uma inspiradora escola para a iluminação da mente mortal e a alegria da Alma. Sua autoridade repousa na reação agradável da Alma do Homem e da Inspiração e Direção recebida dos Mestres Visíveis e Invisíveis.
  7. Eu sei que os Grandes Iniciados da Fraternidade são representantes dos Mestres Invisíveis da Grande Fraternidade Branca e Servos de Deus.

Salutem Punctis Trianguli!

creed

(The Rosicrucians have no blind faiths or unproved beliefs. Through the knowledge of laws, and the ability to demonstrate them, the Rosicrucians know certain fundamental principles which constitute their creed. The foregoing statement of such principles was unanimously adopted at an International Convention of Rosicrucians held at the AMORC Temple, Rosicrucian Park, San Jose, California, during the week of July 23rd to 30th, 1930.)

Incognitu

Etymology
From in- + cognitus.

Pronunciation
/inˈkoɡ.ni.tus/, [ɪŋˈkɔŋ.nɪ.tʊs]

Adjective
incognitus (feminine incognita, neuter incognitum); first/second declension

  1. unknown
  2. untried, untested

[Eng]  There is a reason why the mystic chooses to work incognitu, most of the time, although this is not necessary today as it had been in the distant past, mainly due to religious persecution.

The greatest incognito of all is the Creator. God. One who can not be named but who is represented by the Great Architect of the Universe. The Creator is present in everything, because God is mind, and the Universe is mental. All that is present in the Universe and all that is the Universe is also a brush through which the Creator draws, without feeling the need to sign the authorship of the art, because all art, in this case, is already His signature.

The Rosicrucian realizes the efficiency of working Incognito in a much greater capacity for the realization of Reality, for when his lips are sealed his voice rumbles and shows his authority in the strongest egresses, when his eyes are closed the Light enters more easily into his consciousness , when his ears are turned off the instrumental music of God in all the vibrations makes resonate every fiber of his Soul Personality.

At this moment, the Rosicrucian attains the equivalence of form with the Creator because he works incognito just like his Father. There is no ego involved, no credit to a name or an appearance, its mental and physical creations, its work, its influences, become permanent because nothing in the worldly can destroy them. This is how it must be in the search for reconciliation with the Creator, working in perfect harmony with the Heavenly Hosts through their Thoughts, Words, and Actions.

[Por]  Há uma razão para que o místico opte por trabalhar de maneira incógnita, na grande maioria das vezes, embora isso não seja necessário hoje em dia como o fora no passado distante, devido, principalmente, às perseguições religiosas.

O maior incógnito de todos é o Criador. Deus. Aquele que não pode ser nomeado mas que é representado pelo Grande Arquiteto do Universo. O Criador está presente em tudo, porque Deus é mente, e o Universo é mental. Tudo o que está presente no Universo e tudo o que é o Universo é também um pincel pelo qual o Criador desenha, sem sentir a necessidade de assinar a autoria da arte, porque toda arte, neste caso, já é sua assinatura.

O Rosacruz percebe a eficiência de trabalhar Incógnito em uma capacidade muito maior de percepção da Realidade, pois quando seus lábios estão selados a sua voz retumba e mostra sua autoridade nas mais fortes egrégoras, quando seus olhos estão cerrados a Luz entra mais facilmente em sua consciência, quando seus ouvidos estão desligados a música instrumentada por Deus em todas as vibrações faz ressoar cada fibra de sua Personalidade Alma.

Neste momento, o Rosacruz alcança a equivalência de forma com o Criador porque trabalha incógnito assim como seu Pai. Não há ego envolvido, não precisa creditar qualquer coisa a um nome ou a uma aparência, suas criações Mentais e físicas, sua obra, suas influências, passam a ser permanentes porque nada no mundano poderá destruí-las. É assim que tem que ser na busca pela reconciliação com o Criador, trabalhando em perfeita harmonia com as Hostes Celestiais por seus Pensamentos, Palavras e Ações.

The Author / O Autor / Anno R+C 3.371

 

Ego

[Eng]Ego

Every man is not just one, he is trine.

Trine in essence, trine because he is three bodies. Trine because he is a manifestation of Light, Life and Love.

Fools himself the one who considers any one of the three more important than the other two. All are equally important and relate to God by the same way, being the only difference among them the level of material density, or energy, that makes them up.

Beyond your physical body, Ego is something completely senseless, it doesn’t exist, has no Real or concrete manifestation. Ego is a third dimension phenomena, one of man’s material body characteristics, an ephemeral attribute that starts when the man is born and that dies as soon as man passes by his transition. Ego is a barrier of understanding between Illusion and Reality, it is the frontier of your five senses, it is your dimensional limit. Curiously man, in his long search for perfection, gives up to temptations of pleasure and pain revulsion, making constant, during his life, the use of the Ego as an interaction interface with the Universe of Creation.

Ego is like your lawyer, it defends your integrity for your honor’s sake, even if that integrity at stake is just the most thin and external man’s shell, even if that honor is just an absolutely formal concept and passive to relativization. Cultural and therefore conjectural. So insignificant in face of Creator’s Omnipotence, Omnipresence and Omniscience as any other objective expression of every human being.

Unfortunately, man carved his society towards his Ego, not to his true Being. Things exist for our Ego, to amplify our pleasure, to stop our suffering, as much as possible. When someone talks to you is his Ego having a conversation with yours. When someone offends another, it is in fact her Ego trying do offend yours, and not her essence with relation to your own. Every possible kind of aggression in our three-dimensional world is an aggression between Egos, even when there’s a threat to someone’s life. Men being trine, there’s much more at stake than a mere Ego dispute between two people. Men’s soul is not simply inside a flesh shell, it trespass it, it uses it as an experiences vehicle, its reaching is timeless, and far wider than someone’s arms span or someone’s legs step, or even what can be traveled by our transports.

Have in mind that Ego is a barrier to the re connection between you and the celestial hosts. Instead of giving your Ego wings, look for introspection, search for silence, and you’ll make yourself much more visible and louder to whom really matters.

[Por]Ego

Todo homem não é um só, é trino.

Trino em essência, trino porque são três corpos. Trino porque é manifestação de Luz, de Vida e de Amor.

Engana-se quem considera qualquer um dos três mais importante que os outros dois. Todos são igualmente importantes e comungam com Deus da mesma forma, sendo a única diferença entre eles o nível de densificação da matéria, ou da energia, que o compõe.

Além de seu corpo físico, o Ego é algo que não faz o menor sentido, não existe, não tem manifestação concreta ou Real. Ego é um fenômeno da terceira dimensão, uma característica do corpo material do homem, um atributo efêmero que surge quando o homem nasce e cessa de existir quando ele passa por sua transição. Ego é uma barreira de entendimento entre a Ilusão e a Realidade, é a fronteira dos seus cinco sentidos, é o seu limite tridimensional. Curiosamente, o homem em sua longa busca por perfeição acaba por ceder a tentação do prazer e da repulsa da dor e com isso torna constante, durante sua vida, o uso do Ego como interface de interação com o Universo da Criação.

O Ego é como seu advogado, ele defende sua integridade em nome de sua honra, ainda que a integridade em jogo seja muitas vezes apenas a casquinha externa mais fina do homem, ainda que honra seja um conceito absolutamente formal e passível de relativização. Cultural e portanto conjuntural. Tao insignificante perante a Onipotência, a Onipresença e a Onisciência do Criador quanto qualquer outra expressão objetiva de qualquer ser humano.

Infelizmente o homem talhou sua sociedade para seu Ego e não para seu verdadeiro Ser. As coisas existem para nosso Ego, para amplificar nosso prazer, para anular nosso sofrimento, tanto quanto seja possível. Quando uma pessoa conversa com você é o Ego da mesma que conversa com o seu. Quando uma pessoa o ofende, na realidade é o Ego daquela que visa a ofender o seu Ego, e não a essência dela em relação a sua essência. Todo tipo de agressão passível de ocorrência no plano tridimensional é uma agressão entre Egos, mesmo que haja o atentado a vida de outrem. Sendo o homem trino, existe muito mais em jogo do que mera disputa material entre os Egos de duas pessoas. A Alma do ser humano não esta contida em um involucro de carne, ela o permeia, ela o utiliza como veiculo de experiencias, seu alcance é atemporal e muito mais amplo do que a extensão de nossos braços e pernas, ou do que pode ser percorrido por nossos veículos.

Tenha em mente que o Ego é uma barreira entre você e sua religação com as Hostes Celestiais. Ao invés de dar asas ao Ego, procure a introspecção, procure o silencio, e você se fara muito mais visível e audível, desta forma, a quem verdadeiramente interessa.

10_Medieval_Knight_Facts-770x437

The Author / O Autor / Anno R+C 3.371

Intention, Invocation, Immersion

[Eng] The Rosicrucians know that the human being has no way of knowing if all that he desires is in fact part of a Cosmic design. Man can not counteract a Cosmic design. In this way, it is no use for a man to want or not to want something so that his will is effectively fulfilled. It must be in line with the Cosmic designs in that context.

This does not mean that the Rosicrucians believe in pure and simple fatalism. There is a spectrum of variance in the life of each person, as if it were a river that has its path defined by geography but we can navigate it by N different forms. And who knows, even Geography can change the course of the river a little over the ages, as we can actually observe in our physical world. The Cosmic designs work in this way, enabling the person to navigate the river in several different ways without actually being able to counteract the Divine will.

The Rosicrucians therefore follow a triad, which is fundamental to all Mystic, in their meditations, in their visualizations, in their work of harmonization and, finally, in any other type of mystic activity that has as objective to project and / or build something.

This triad is composed of Intention, Invocation and Immersion, and is practiced in this sequence.

In the Intention stage, man is expected to define what is the Intention behind a will, a desire, which he knows internally to discern whether this intention is good or bad, productive or unproductive, harmonious or not.

At the stage of Invocation, man is expected to know how to invoke superior forces that could put into practice his mind, his will, if this is in fact in harmony with the Cosmic designs within that context.

In the stage of Immersion, man is expected to allow himself to be carried away by all impressions that may arise in his mind, objective and psychic, but especially those of the second type, and that he becomes passive, as a kind of conduit of forces, which will allow the emergence of practical and material effects in our objective plan.

The Rosicrucian closes this type of work with a final statement, which serves to make him aware that, although he was pure and perfect in everything he did at that moment in putting this triad into practice, things only happen in the world for Cosmic designs.

[Por] Os rosacruzes sabem que o ser humano não tem como saber se tudo o que deseja de fato faz parte de um desígnio Cósmico. O homem não pode contrariar um desígnio Cósmico. Desta forma, não adianta o homem querer ou não querer uma coisa para que sua vontade seja efetivamente atendida. Ela precisa estar em consonância com os desígnios Cósmicos naquele contexto.

Isto não quer dizer que os rosacruzes creem no fatalismo puro e simples. Ha um espectro de variância na vida de cada pessoa, como se fosse um rio que tem o seu traçado definido pela geografia mas que podemos navegá-lo por N formas diferentes. E quem sabe, ate mesmo a Geografia pode mudar um pouco o curso do rio ao longo das eras, como de fato podemos observar em nosso mundo físico. Os desígnios Cósmicos funcionam desta forma, possibilitando que a pessoa possa navegar pelo rio de varias formas distintas sem que com isso possa, de fato, contrariar a vontade Divina.

Os rosacruzes portanto seguem uma tríade, que é fundamental para todo Mistico, em suas meditações, em suas visualizações, em seus trabalhos de harmonização e, enfim, em qualquer outro tipo de atividade Mistica que tenha por objetivo projetar e/ou realizar alguma coisa.

Esta tríade é composta por Intenção, Invocação e Imersão, e é praticada nesta sequencia.

Na etapa da Intenção, espera-se que o homem defina qual a Intenção por trás de uma vontade, de um desejo, que ele saiba discernir internamente se esta intenção é boa ou ruim, produtiva ou improdutiva, harmoniosa ou não.

Na etapa da Invocação, espera-se que o homem saiba invocar forças superiores que poderiam colocar em pratica sua mentalização, sua vontade, se isto de fato estiver em consonância com os desígnios Cósmicos dentro daquele contexto.

Na etapa da Imersão, espera-se que o homem se deixe levar por todas as impressões que possam surgir em sua mente, objetivas e psíquicas, mas especialmente as do segundo caso, e que se torne passivo, como uma especie de conduíte de forças, que possibilitarão o surgimento de efeitos práticos e materiais em nosso plano objetivo.

O rosacruz encerra este tipo de trabalho com uma declaração final, que serve para deixá-lo consciente de que, ainda que tenha sido puro e perfeito em tudo o que fez naquele momento ao colocar em pratica esta tríade, as coisas só acontecem no mundo por desígnios Cósmicos.

rebirth

The Author / O Autor / Anno R+C 3.371

The Cross and The Rose-Cross

[Eng]What is a cross?

The human being is especially affected by vision, his most accurate sense and the last to be awakened completely after birth, taking from 6 to 8 months for his full maturity and precision. Likewise, the questioning of what is seen is not frequent. Now, if we have a sense as accurate as that of vision, it would be natural for us to be equally ascertained in the criticism, investigation, and selection of what we wish to retain in terms of knowledge from our vision.

We can assume that a huge majority of people have seen crosses of the most varied types. It is quite possible that such a symbol awakens deep and peculiar sensations in each person. But how many wonder about that symbol, its origins and meanings?

The cross in Rosicrucianism has a profound meaning, which has nothing to do with the “torment” employed by Christians.

Every cross is composed of a certain “orthogonality” between two axes. In the case of the traditional cross, on which the Rose-Cross is mounted, the trunk or vertical axis represents Heaven, the space and the male polarity of life, while the trunk or horizontal axis represents the Earth, time and female polarity of nature. Taken together these two axes of the cross express the law of duality. The four arms formed by this figure represent the relationships we can establish not only with the four principles of nature but also with several other natural quaternary aspects.

Applied to the Rosicrucian Tradition, the two trunks of the cross, vertical and horizontal, symbolize the physical body of man and in general the terrestrial world through which man evolves from one life to another. The rose, at the intersection between both axes, symbolizes the soul personality of man in his progressive expansion throughout his incarnations. The rose has always been associated with spirituality in various traditions.

In its most noble expression, the Rose-Cross is forged in Gold, symbolizing material perfection. Applied to man, this metal represents the purity of the physical body, which we must achieve through the application of a harmonious life with natural and cosmic laws. The Rose, a ruby ​​of five or seven facets, materializes the quintessence that infuses the whole Universe and together the three theological virtues (faith, hope and charity) and the four cardinal virtues (courage, justice, prudence and temperance).

In this way, the Rose-Cross represents at the same time the duality of human nature and the archetype to which we evolve physically and spiritually.

[Por]O que é uma cruz?

O ser humano é especialmente afetado pela visão, seu sentido mais apurado e o último a ser desperto completamente após o nascimento, levando de 6 a 8 meses para sua total maturidade e precisão. Assim mesmo, o questionamento sobre o que se vê não costuma ser frequente. Ora, se temos um sentido tão apurado quanto o da visão, natural seria que fossemos igualmente apurados na crítica, na investigação e na seleção daquilo que desejamos reter em termos de conhecimento a partir de nossa visão.

Podemos supor que uma enorme maioria das pessoas já viram cruzes dos mais variados tipos. É bem possível que tal símbolo desperte em cada pessoa sensações profundas e peculiares. Mas quantos se questionam sobre aquele símbolo, suas origens e significados?

A cruz no Rosacrucianismo possui um significado profundo, que nada tem a ver com o “suplício” empregado pelos cristãos.

Toda cruz é composta por uma certa “ortogonalidade” entre dois eixos. No caso da cruz tradicional, sobre a qual a Rosa-Cruz é montada, o tronco ou eixo vertical representa o Céu, o espaço e a polaridade masculina da vida, enquanto o tronco ou eixo horizontal representa a Terra, o tempo e a polaridade feminina da natureza. Considerados juntos estes dois eixos da cruz expressam a lei da dualidade. Os quatro braços formados por esta figura representam as relações que podemos estabelecer não somente com os quatro princípios da natureza mas também com vários outros aspectos quaternários naturais.

Aplicada à Tradição Rosacruz, os dois troncos da cruz, vertical e horizontal, simbolizam o corpo físico do homem e de um modo geral o mundo terrestre através do qual o homem evolui de uma vida para a outra. Já a rosa, na interseção entre ambos os eixos, simboliza a personalidade alma do homem em suas expansão progressiva ao longo de suas encarnações. A rosa sempre foi associada à espiritualidade em diversas tradições.

Em sua expressão mais nobre, a cruz Rosa-Cruz é forjada em Ouro, simbolizando a perfeição material. Aplicado ao homem, esse metal representa a pureza do corpo físico, que devemos atingir através da aplicação de uma vida harmoniosa com as leis naturais e cósmicas. Já a Rosa, um rubi de cinco ou sete facetas, materializa a quintessência que infunde todo o Universo e conjuntamente as três virtudes teologais (fé, esperança e caridade) e as quatro virtudes cardeais (coragem, justiça, prudência e temperança).

Desta forma, a Rosa-Cruz representa ao mesmo tempo a dualidade da natureza humana e o arquétipo para o qual evoluímos física e espiritualmente.

rose_cross

The Author / O Autor / Anno R+C 3.370