Michael Maier’s Atalanta Fugiens

An article of Peter Bindon, FRC
Rose+Croix Journal, Issue 12 of 2018

http://www.rosecroixjournal.org/

A Look at This Year’s Cover: Michael Maier’s Atalanta Fugiens – Rose+Croix Journal Issue 12, 2018

Michael Maier Atalanta Fugiens Figura 21 Explicada

[Eng] In this article, Peter Bindon presents some of the fascinating symbolism and history behind Emblem 21 in Michael Maier’s intriguing work, Atalanta Fugiens.

[Por] Neste artigo, Peter Bindon apresenta um pouco do fascinante simbolismo e história presentes no Emblema 21 do intrigante trabalho de Michael Maier, Atalanta Fugiens.

Emblem-21-in-Michael-Maier-Atalanta-fugiens

The Roots of a Science of Consciousness in Hermetic Alchemy

Article from the Rose+Croix Journal Issue 11 of 2016
http://www.rosecroixjournal.org/

The Roots of a Science of Consciousness in Hermetic Alchemy – Rose+Croix Journal Issue 11 2016

Abstract
Alchemy is not only the origin of systematic experimentation and chemistry but also the first attempt to create a cohesive science of consciousness. Those early philosophers of nature treated mental contents as objective phenomena, and they believed the universal operations used in their laboratories could transform a dark leaden mind into a shining golden one. The Hermetic philosophy behind alchemy taught that our thoughts and feelings are the thoughts and feelings of the whole universe, and that intrinsic perspective generated deep insight into the structure of mind. Alchemists viewed consciousness as a natural force that could be harnessed through a marriage of logic and intuition – a union of objective and subjective realities. Like modern seekers of a unified field theory, alchemists sought one true philosophy of universal principles that were as valid in Nature as they were in their own minds and souls, and in the One Mind of the Cosmos. The resulting cauldron of ideas on mind and matter leads to a truer understanding of the Philosopher’s Stone – not as an object but a state of mind.

Sumário
A Alquimia não é somente a origem de experimentação sistemática e química, mas também é a primeira tentativa de criar uma ciência coesiva de consciência. Os antigos filósofos da natureza tratavam os conteúdos mentais como fenômenos objetivos, e eles acreditavam que as operações universais utilizadas em seus laboratórios poderiam transformar uma mente de chumbo escuro em uma de ouro brilhante. A filosofia hermética por trás da alquimia, nos ensinou que nossos pensamentos e sentimentos são os pensamentos e sentimentos de todo o universo. Essa perspectiva intrínseca gerou um conhecimento profundo sobre a estrutura da mente. Alquimistas viam a consciência como uma força natural que pode ser controlada através de um casamento de lógica e intuição – uma união de realidades objetivas e subjetivas. Assim como os buscadores modernos de uma teoria de campo unificado, alquimistas procuravam uma verdadeira filosofia de princípios universais que seriam tão válidos na Natureza como eram em suas próprias mentes e almas, e na Mente do Cosmos. O caldeirão resultante de idéias sobre a mente e a matéria leva a uma compreensão mais verdadeira da Pedra Filosofal – não como um objeto, mas como um estado de espírito.

Tabula Smaragdina collored(Tabula Smaragdina)